terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

'desconheço pancadas dele'



"meu era um alívio. mesmo não duvidei de meu menos valer: alguém lá tem a afeição do rosto igualzinha à minha? eh, de primeiro meu coração sabia bater copiando tudo. hoje, eu desconheço o arruído rumos das pancadas dele. diadorim veio para perto de mim, falou coisas de admiração, muito de afeto leal. ouvi, ouvi, aquilo, copos a fora, mel de melhor. eu precisava. tem horas em que penso que a gente carecia, de repente, de acordar de alguma espécie de encanto. as pessoas, e as coisas, não são de verdade! e de que é que, a miúde, a gente adverte incertas saudades? será que, nós todos, as nossas almas já vendemos? bobéia, minha. e como é que havia de ser possível? hem?! (guimarães rosa)

-

tradutor

-

ps: “inútil dormir, que a dor não passa”

(chico buarque)

2 comentários:

gabriela_sumi em 12/02/08 19:48 disse...

Dormir é uma defesa..mas qdo acorda tudo volta!!!!!!!!
Já estou quase 100%. Tb, depois daquela bomba de clorofila...estou até verde!!!!hehehehehe
Obrigada pelo chazinho!!!!!!!!
Boa semana Fefa

vischimidt em 12/02/08 20:35 disse...

do Lat. dormire


v. int.,
descansar no sono;

fig.,
estar ou ficar imóvel;

descansar na morte;

ser descuidado;

negligente;

estar latente;

entorpecido;

Será?!

q saudade da fefa...
vms no feira quinta?

bjoca