quarta-feira, 9 de junho de 2010

mas dois...

"o amor como dom ativo está para além da fascinação imaginária, porque se dirige ao ser do outro em sua particularidade. trata-se de um amor que se inscreve no regime da diferença, onde dois não fazem um, mas dois..."
(ferreira, nadiá paulo, revista cult, dossiê amor, n. 146)
(desenho: fernanda pereira, "amar é cardíaco", arte sensível primitiva)
(título de luper, e meus ternos agradecimentos)

2 comentários:

João Rafael disse...

Será de onde, que vem os braços abertos? Destes olhos em tatos... destes toques no fundo dos olhos...De um ser sensível de manhã. Sempre destes seres...

Marcel Luper disse...

...palpita um tanto assim aqui dentro de mim, junta tudo num só saquinho e espalha, é ter braços para o abraço, e ter...